.....................................................
Que bom que você entrou Convidado
Últimos assuntos
» Consequências da Reeleição
Dom 17 Jun 2018, 2:08 pm por EVANGELISTA/RJ/MSN

» Céticos afirmam que Óvnis são descritos na Bíblia
Dom 10 Jun 2018, 4:22 pm por rbarros

» Noticiário Escatológico
Dom 10 Jun 2018, 4:30 am por Jarbas

» Debate sobre aborto - tópico oficial
Ter 05 Jun 2018, 12:59 pm por Criaturo

» Jesus está às portas
Seg 28 Maio 2018, 3:10 pm por Jarbas

» Inferno e a teoria de Aldous Huxley
Seg 28 Maio 2018, 10:19 am por Zigurd

» Fórum Adventista no Facebook
Seg 28 Maio 2018, 7:07 am por Homini

» Análise de João 10:30 - A Unidade e o Nome de Deus.
Sex 25 Maio 2018, 11:26 am por Zigurd

» O que é idolatria?
Qui 17 Maio 2018, 1:17 am por Cartman

Consulta Bíblica
Ex: fé - Ex: Gn 1:1-10


No começo do Cristianismo, as visões sobre Jesus eram muito diferentes

Ir em baixo

No começo do Cristianismo, as visões sobre Jesus eram muito diferentes

Mensagem por rbarros em Qua 09 Ago 2017, 9:05 pm

Três séculos depois que Jesus morreu, quando o imperador Constantino reconheceu o Cristianismo como uma religião, ela ainda era apenas uma coleção de seitas e ideias concorrentes.

A verdadeira natureza de Jesus era fonte de muito debate. Invisibilidade, levitação, curas milagrosas, indestrutibilidade e várias outras superpotências estilo X-Men foram vistas como atributos necessários para enfatizar que Jesus poderia ter escapado de um encontro com o crucifixo se quisesse, mas estava destinado a morrer em vez disso, para redimir a humanidade e tudo o mais. Uma das noções mais espirituosas era de que Jesus era um metamorfo que podia mudar sua aparência à vontade, porque possuía um corpo de energia superpoderoso que apenas parecia humano.

Existiu até uma seita gnóstica chamada de Carpocracianismo* que representava Jesus Cristo como um ser bissexual, praticamente libertino.

(In)felizmente, a fase experimental de Jesus não durou muito. Embora o conceito da Santíssima Trindade ainda fosse um trabalho em andamento, apenas alguns bispos tinham realmente poder. Em 325 d.C., no Concílio de Nicéia, o imperador mandou botar ordem na coisa toda e determinar a doutrina “oficial” do Cristianismo.

Tendo decidido (provavelmente arbitrariamente) no que a Igreja acreditava, ela logo começou a perseguir qualquer um que discordasse do que ficou combinado entre os coleguinhas. Massacres ocorreram...



fonte: http://hypescience.com/5-fatos-bizarros-sobre-o-inicio-do-cristianismo/


(*) Carpocraciano é a denominação dada aos seguidores de um movimento cristão gnóstico do século II que professava as doutrinas de Carpócrates de Alexandria. Epífanes, filho de Carpócrates e sua mulher Marcelina, organizaram a seita em Roma sob o pontificado do papa Aniceto. Rejeitavam o Velho Testamento e sustentavam que José é o pai carnal de Jesus. Defendiam a pre-existência das almas para explicar as imperfeições do homem e diziam que nosso fim supremo era nos unir ao Divino. Irineu de Lyon os acusou de praticar magia e os repreendeu duramente. São considerados hereges pela Igreja cristã.


Que o espírito dos selvagens permaneça um espírito selvagem! (Pierre Clastres - antropólogo, etnólogo e filósofo francês)
avatar
rbarros
Diamante Azul
Diamante Azul

Número de Mensagens : 1704
Idade : 54
Localização : São Paulo - Capital
flag : Brasil
Data de inscrição : 14/05/2012

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: No começo do Cristianismo, as visões sobre Jesus eram muito diferentes

Mensagem por thynno em Seg 14 Ago 2017, 1:49 pm

Simplesmente mataram Jesus, senão ele teria assumido a coroa de Israel, pois sempre foi O Herdeiro jus sangue e jus solo, descendente entre os primogênitos dos primogênitos de Adão. Mas apesar de toda sabedoria, ainda viajava em criar frases que para a época violavam regras de saúde pública. Incomodava a muitos, inclusive ao poderosos. Apesar de ser o maior humanista da história, numa época de muitas guerras, ele tentava ensinar que as palavras machucavam, e disse que as pessoas não tinham que lavar as mãos antes de comer, porque o que contaminava o homem saída da boca, e não o que entrava pela boca. Mas como assim?

Ele tentou criar uma parábola, mas acabou ensinando contra os bons costumes. Lavar as mãos é necessário, e se tornou regra para os médicos, então ele não deveria ensinar o contrário, mas apenas falar que as palavras injuriosas contaminavam a alma. Irritam os sentimentos. Podem até matar.

De mesmo modo, uma mão cheia de bactérias pode matar quem não lava as mãos e pega nos alimentos para comer. Isso irritou os "professores" da época, pois eles sabiam que se o povo passasse a não ter mais asseio, inúmeras doenças se espalhariam.

Mas os que mataram ele estava inconformados com o fato dele ser rei.
Então perguntavam se ele era o Rei de Israel.
E ele respondendo disse: Tu o dizes.
Por isso o mataram.
avatar
thynno
Pérola
Pérola

Número de Mensagens : 255
flag : Brasil
Data de inscrição : 26/06/2017

Voltar ao Topo Ir em baixo

Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum