Equipe de Bolsonaro defende contribuição maior do funcionalismo federal, o que afetaria também estados e municípios; Rio já cobra 14%